Não queria que ela tivesse o mesmo fim do pai…

Qual é a mãe que não quer o melhor para o seu filho? Que não sonha em vê-lo seguindo os bons exemplos de seus pais? Ter a alegria de estar presente nos momentos mais importantes da vida dele? Mas para mim, tudo foi completamente diferente!

Meu filho ainda criança era a alegria da casa, e ao alcançar a juventude começou a se envolver com más companhias. Saía a noite para as festas, passou a beber, ficava dias fora de casa e muitas vezes eu pensava que ele nem voltaria mais para casa. Só esperava o pior, porque ele vivia sua vida de forma perigosa. A dor era muito grande, pois estava vendo a história se repetir! O pai dele tinha sido assassinado por ter se envolvido com pessoas erradas, e o meu filho estava no mesmo caminho! Desesperada e sem saber mais o que fazer, recorri a Deus, pois não havia outra porta. Passei a lutar com todas as minhas forças pela transformação do meu filho!

Em uma das vezes que fui ao Altar com o nome dele em minhas mãos, no mesmo momento estavam tentando matá-lo em uma festa. Quando chegou em casa ele me relatou o que havia acontecido com ele, e que reconhecia que foi o próprio Deus que o havia livrado da morte.

Passei a participar semanalmente das orações que são realizadas pelo Projeto Mães em Oração em favor da mudança do meu filho. Não foi fácil e muitas vezes pensei em desistir. Parecia que tudo estava piorando. Fui perseverante e Deus me honrou! Hoje ele é um filho transformado, não apenas pela sua libertação, mas principalmente por buscar a esse Deus tão maravilho que mudou nossas vidas!

Share This Post

About Author: Godlywood Brasil

3 thoughts on “Não queria que ela tivesse o mesmo fim do pai…

  1. odilia uilissene
    27 de novembro de 2015 at 15:49

    Boa noite este projecto é Deus,têm ajudado muitas mães que já não sabiam o que fazer
    Com os seus filhos a cada mês temos tido novos aprendizados e tem sido muito útil.

  2. Antonia
    8 de agosto de 2016 at 21:43

    Muito importante esse trabalho,que Deus abençoe todas as mães. Antonia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *